Houve um tempo em que o sonho de um jovem era construir uma família e ter uma casa própria. Depois os jovens queriam ter um carro, viajar por aí, ter sua liberdade.

Hoje o sonho de um jovem é falar num TED, esses pequenos seminários onde contamos nossas vidas e revemos a nossa historia. Tá aí. Essa é a chave da questão. História. Só dá pra contar o que se constrói.

Porque será que temos esse desejo de falar sobre nós, o que fizemos o que deixamos de fazer e o que vamos deixar para as próximas gerações?

Construir uma história passa necessariamente por ter um propósito e é aí que sinto que hoje estamos nos perdendo. Nós já nascemos com uma missão que nos foi dada por alguém que tem ou tinha uma expectativa sobre nós. Carregamos a herança genética daquela família na qual escolhemos nascer e na hora que começamos a falar e a nos expressar, essa carga aparece automaticamente. Somada as expectativas mencionadas antes, nos transforma numa persona que nem sabemos se queremos ser.

À medida que o tempo passa e vamos construindo essa tal história, podemos perceber o quanto essa persona nos representa ou se esse figurino não nos pertence. Muita gente passa a vida incomodada, parecendo que está com roupas e sapatos apertados, alguém sufocando seu pescoço, sem descobrir o porquê desse sentimento e vai reagindo a vida dessa maneira. Mas temos a chance de descobrir nosso propósito e com ele escrever nossa historia. Podemos empreender na aventura de buscar o que nos leva a outro patamar, a viver uma vida plena e cheia de valor. Para isso, não precisamos de muito dinheiro, cursos, pessoas. Precisamos de tempo. Tempo entre você e sua alma, para uma conversa sincera sobre o que te faz feliz e como essa felicidade vai te ajudar a conduzir a sua vida e a das pessoas a sua volta de uma forma plena.

Conhecendo esse tal propósito, conseguimos ser efetivamente quem quisermos e influenciar positivamente tudo que esta a nossa volta. Daí o trabalho, os relacionamentos, a família, tudo flui nessa direção.

Mas como chegar nesse lugar que parece mágico?

Pelo começo. Simples, né? Comece tendo a coragem de olhar para dentro e para o que você realmente busca de uma carreira, de um relacionamento, de um emprego. O que serve para seu amigo pode não servir para você. Assim como dietas de revista, os livros de autoajuda são uma mola propulsora para encontrarmos alguma motivação interna. Mas não tenham eles como verdades absolutas. Ache a sua própria verdade e caminhe em direção a ela.

Empreender é ter a coragem de olhar para algo de um jeito diferente. Podemos empreender de diversas formas então porque não começar pela que você tem controle: seja seu auto empreendedor e descubra qual historia você quer construir. Não passe a vida reagindo a estímulos, cobranças ou expectativas de terceiros em relação a você.

E quando um dia você estiver caminhando, olhar para trás e sorrir plenamente, poderá subir no palco e contar sua historia num TED.

 

Gabriela Szprinc responsável por PMEs PayPal Brasil