Por que será que nós mulheres temos a impressão de nunca sermos boas o suficiente?

São tantos os nossos papéis na sociedade, mãe, esposa, empresária, filha, amiga, faltaria papel para escrever tantas competências que exercemos.

E são tantas coisas e atividades que nós empreendedoras gerenciamos, que muitas delas temos que delegar. Mas ao delegar, algumas mulheres estão sempre buscando controlar aqueles que estão a sua volta, para que façam as atividades com maestria e, grande parte das vezes, da maneira que elas fariam. Você conhece alguém assim?

Mas a verdade é que nossas vidas não são uma receita de bolo, que pegamos os ingredientes, batemos tudo, colocamos no forno e teremos uma delícia para degustar com aquele cafezinho.

Vida é incerteza, são dias bons e dias ruins, hora as coisas dão certo, hora não, hora ganhamos, hora perdemos, a verdade é que a vida não nos dá garantia de nada e precisamos sair do controle para aprender a viver.

Sair do controle? Como você me fala isso? Se eu sair do controle nada vai dar certo. Quantas vezes você já ouviu isso?

Parar de controlar é viver. Quando nos permitimos ser imperfeitas, permitimos também que o outro o seja, nos permitimos errar, pedir perdão e perdoar, ainda que outro não nos peça perdão.

Ficamos imaginando a mulher que queremos ser. Deixe o que você gostaria de ser para ser quem você realmente é na sua essência. Para isso é preciso se conhecer mais, aumentando dia após dia seu nível de autoconhecimento.

Brené Brow, no seu livro “A coragem de ser imperfeito”, fala que não podemos dar às pessoas o que não temos. Quem somos importa infinitamente mais do que o que sabemos ou queremos ser.

Seja gentil consigo mesma, acredite que você merece amor e pertencimento, faça isso primeiro com você e depois com os outros e assim, com certeza, criaremos um mundo mais humano e com mais amor, nas nossas casas e nos nossos negócios.

Beijos,

Imagem: Pixabay